Copa do mundo: benefícios e malefícios

A Copa do mundo consumirá uma grande demanda do dinheiro público brasileiro. Estima-se que serão gastos cerca de 30 bilhões de dólares, valor muito superior ao que foi investido nas últimas três copas juntas, já que elas custaram aproximadamente 25 bilhões de dólares. Grande parte desse dinheiro está sendo gasto com a infraestrutura nas cidades onde acontecerão os jogos, ou seja, na construção e reforma de estádios, de estradas e de aeroportos. Mas será que tanto investimento valerá a pena?

 

         A maior parte do dinheiro gerado pelos jogos e estádios vai direto para a FIFA e os lucros proporcionados pelos turistas e pelos investidores serão dirigidos aos hoteleiros e empresários, pessoas da alta classe social. A polícia está entrando nas favelas e removendo criminosos, mas para onde eles estão sendo levados? E por quanto tempo eles estarão afastados? Essa é um solução temporária para um problema bem mais grave.

 

O Brasil é um país onde o analfabetismo atinge 8,6% da população com mais de 15 anos; ocupa o 85º lugar no ranking de IDH; é o quarto país que possui mais desigualdade em distribuição de renda da América Latina. Será mesmo que o Brasil precisa de mais estádios? A copa é um ótimo evento, só que não é o que o país precisa neste momento. Essa nação não precisa de estádios, mas sim de educação, saúde, segurança, moradia e alimentação. O clamor imediato é por condições para proporcionar uma vida de qualidade para os brasileiros. Com o dinheiro gasto na Copa, o Brasil poderia solucionar deficiências mais urgentes em áreas como educação e saúde pública.

 

        Por mais que isso deixe a sociedade aflita, o Brasil sediará a Copa do mundo, pois esse já é um fato decidido. Sendo assim, o importante agora é buscar a melhor forma de fazer o mundial de futebol de 2014 ser proveitoso para a economia e para a sociedade brasileira. O ideal é extrair o máximo de vantagens que a Copa pode proporcionar, na tentativa de fazer com que os benefícios sejam superiores aos malefícios. Também devem surgir projetos que possibilitem a população de baixa renda usufruir das vantagens proporcionadas pela infraestrutura dos estádios modernos, como por exemplo, o incentivo ao esporte direcionado para crianças e adolescentes carentes. Isso pode ajudá-las a saírem das ruas e a buscarem um futuro promissor. Dessa forma, o Brasil deve se apegar aos bons frutos que poderão ser alcançados com esse evento e buscar sempre as melhorias que o país precisa.